quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Meus erros

  Andei defendendo as pessoas erradas... Confiando em meias palavras, caminhando por pontes instáveis, sem ao menos saber onde estava indo. Escutando vozes roucas demais pra discernirem verdades e mentiras. Dando a mão a desconhecidos, não, pior ainda, dando meu coração e minha alma a eles sem ver a verdade.
  Minha visão estava turva, embaçada, desfocada e eu não conseguia ver o que importava. Me deixei levar por falsas ilusões e me vendi muito fácil. Achava que tinha chegado ao topo, estava por cima, intocável, só que estava mais perto do fundo do que imaginava...
  E olha só onde eu vim parar agora. Meus vícios voltaram, minhas dores, pânico, nervosismo, inseguranças, medos e torturas estão de volta e eu me sinto presa àquele passado doloroso mais uma vez.





sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Verdades.

  Perdoe-me por não ser quem você esperava. Desculpe-me por não tirar a máscara antes, por só te mostrar a verdade má que eu escondia agora. Mas acontece que são feridas tão profundas, que demorarão a ser curadas e eu preferi escondê-las a te mostrar o quão grave elas podem se tornar.
  Não queria te preocupar com minhas perdas, muito menos te decepcionar com meus erros, mas eu preferi te mostrar quem eu sou e todos os fardos que carrego agora do que esperar até eles se tornarem pesados demais pra que eu possa esconder...
  Só me prometa que amanhã, quando eu acordar, você estará aqui do meu lado, admirando meu sorriso preocupado. Se não, me avise agora, pra que eu pare de sorrir antes que seja tarde demais.


terça-feira, 16 de agosto de 2011

Seria isso amor?

  Eu tinha jurado a mim mesma que não ia ceder. Que seus abraços seriam apenas abraços. Que seu olhar não me afetaria. Que sua risada nervosa não faria meus olhos brilharem... Jurei que palavras se resumiriam a sons sem valor. Fiz o máximo para evitar na minha memória as lembranças do seu rosto perto do meu e do seu cheiro invadindo meus pulmões e me viciando.
  Mas eu não consigo. Toda vez que te vejo passar, sem ao menos olhar para mim, eu sonho com tudo o que ainda podemos construir, com toda a alegria que eu exalaria se tivesse você comigo.
  Você se tornou meu porto seguro. Seu colo se tornou meu novo lar e se eu pudesse nunca mais iria para longe de você. A cada mísero "oi", meu coração já grita dentro de mim... Talvez seja cedo, talvez eu esteja exagerando como sempre, mas eu tenho que dizer que você desperta o melhor de mim e não há motivos pra eu lutar contra isso.



sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Coma

  Ansiedade é algo que já não sentia faz tempo... Já não sabia mais o que era contar os minutos para ver o sorriso de alguém, já havia me esquecido a sensação de calafrios , borboletas no estômago, minhas mãos trêmulas quando o rosto de um certo alguém se aproxima do meu...
  Você sacudiu minha vidinha morna me acordando e desligando o piloto automático que me comandava faz tempo. Os sorrisos já não são mais falsos, eu realmente me sinto bem quando a luz do Sol toca seu rosto e ilumina ainda mais sua áurea. E eu sinto que cada suspiro me ressuscita do meu antigo coma, que me mantia presa a ver e sentir só o que eu queria, só o que não me machucaria, um coma que só me deixava caminhar por caminhos seguros. 
  É, parece que por você eu vou arriscar mais uma vez...


quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Te Querer.

  Sua alegria me traz de volta toda a felicidade perdida. Sua leveza me remete de a uma certa inocência que eu não via há muito tempo... Seu descompromisso com a vida me faz esquecer o ontem e o amanhã. Você para meu mundo, faz cada minuto durar 24 horas. 
  Porque você é diferente... É natural, puro, sem farsas, sem mentiras, não há nada a esconder. Você é real. E é disso que eu preciso. Alguém que me leve até as nuvens, e me traga de volta antes do tempo fechar.
  E bem lá no fundo, eu já sabia desde a primeira vez que falei com você que não seria passageiro, não seria em vão, não seria tolice te querer cada vez mais.








quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Medo

  A minha vontade é fugir de novo. Me esconder mais uma vez de tudo o que está a minha volta. Parar o tempo nos momentos bons antes que eles despenquem novamente. Ir embora mais uma vez pra não me deparar com aquelas feições tristes e acabadas que já vi no espelho.
  Não aguento mais fingir não sentir nada, fingir não me importar quando é sobre ela que você fala, fingir que nada aconteceu na noite anterior quando eu chorava sozinha, esquecida pela alegria.
  Quero ir antes que seu rosto se torne essencial pra minha existência. Não quero mais tremer ao sentir seu doce perfume, não quero mais sonhar sobre coisas que faríamos quando te encontrar, não quero ter medo de olhar nos seus olhos e me perder no brilho deles. Estou com medo de estar vendendo um espaço significativo no meu coração por muito pouco...






terça-feira, 2 de agosto de 2011

Amar cegamente.

  Ando com a cabeça tomada por você esses dias... Ando voando, sonhando acordada, perdida, viajando, pensando em tudo o que fizemos aquela noite. Relembrando cada toque, cada sussurro, os sorrisos, o seu gosto, o seu cheiro, a alegria de ter você ao meu lado. 
  Mas ao mesmo tempo, também sou dominada pela dor de saber que em nenhum momento você parou pra se lembrar de mim. Lembrar que naquele dia eu sorri de um jeito diferente, que você se tornou dono do meu mundo, que por mais que eu não demonstre é você que me faz acordar todos os dias e sair da cama confiante pra seguir com a minha vida e enfrentar todos os problemas. Sabe, nos meus sonhos, você também me ama. Você se importa de verdade comigo, me olha com carinho e eu nunca derrubei uma lágrima sequer por você.
  Não sei por qual motivo eu ainda continuo a me iludir. Mas me senti perfeita, quando percebi que eu podia te dar todo o prazer e felicidade que você merece. Só espero que não doa demais te amar tão cegamente.